Como conseguir autonomia no acesso aos dados da clínica? Entenda

7 minutos para ler

Todo médico quer mais autonomia no acesso aos dados da clínica. Afinal, isso é imprescindível para alcançar um patamar superior de qualidade de gestão e de serviço. Então, ações estratégicas poderão ser feitas com mais facilidade, a tomada de decisão será mais precisa e o atendimento ao cliente, personalizado.

Essa conquista, porém, não é tão difícil quanto muitos profissionais pensam. É possível acessar remotamente e manter a segurança dos dados de todos os seus pacientes e dos registros da sua clínica com um sistema de gestão na nuvem. Portanto, se estiver em contato com um fornecedor e precisar decidir sobre a compra, as informações sobre o estoque, o fluxo de caixa e os agendamentos estarão lá. Se um paciente ligar e você não estiver no consultório, poderá acessar o prontuário e dar a informação de que ele precisa, entre outras vantagens.

Quer entender melhor sobre o assunto? Então, acompanhe este post!

O que é a autonomia no acesso aos dados da clínica?

Até pouco tempo, as tecnologias de nuvem não eram muito compatíveis com o orçamento de profissionais autônomos ou pequenas e médias clínicas. O elevado preço permitia apenas que grandes negócios se beneficiassem das vantagens do acesso ininterrupto aos dados por meio do armazenamento em servidores remotos.

No entanto, a cada dia, essas tecnologias se tornam mais viáveis financeiramente para clínicas de todos os portes. Com isso, surge uma autonomia cada vez maior.

Mas o que isso significa? Significa não estar preso às limitações de certas ferramentas e equipamentos para acessar os dados. Veja, a seguir, alguns requisitos para avaliar se você tem autonomia no acesso aos dados da clínica.

Escalabilidade

Em vez do armazenamento local, em que você precisa estar conectado diretamente ao servidor por alguma estrutura física, a nuvem permite o acesso por meio da conexão com a Internet. Assim, não é preciso investir em uma infraestrutura de rede interna física para que sua clínica integre todas as informações produzidas por cada médico e seus assistentes.

Tudo será automaticamente integrado por meio de um sistema de gestão baseado na nuvem, o qual recebe as informações e as organiza de uma forma simples e funcional. Então, não será mais preciso contratar vários serviços quando a clínica decidir crescer, como instalação de fios de rede, serviços de intranet, compra de servidores, entre outros.

Na computação em nuvem, bastará adquirir um novo equipamento de computação e pedir para seu fornecedor a liberação de mais um usuário. Assim, seu crescimento não depende mais de várias prestadores de serviços e processos lentos. Em apenas alguns minutos, tudo é resolvido. 

Mobilidade

Esse termo significa acessar as informações da sua clínica quando e de onde quiser, desde que esteja conectado à internet.

Os dados não ficam presos à conexão física direta, a famosa intranet, com a qual todo médico já deve ter tido experiências negativas durante o trabalho em hospitais e clínicas. Eles ficam hospedados na Internet, a qual poderá ser acessada nas conexões tradicionais de internet fixa ou móvel.

Flexibilidade

Enquanto a mobilidade diz respeito ao fim dos limites especiais, a flexibilidade indica a capacidade de se adaptar aos diversos formatos digitais. Os melhores sistemas de gestão de clínicas disponibilizam o acesso aos dados por smartphones, tablets e computadores.

Além disso, funcionam nos mais diversos sistemas operacionais, como Windows, Android, iOS, Mac OS X e Linux. Tanto a flexibilidade quanto a mobilidade serão essenciais agora que as teleconsultas serão cada vez mais comuns.

Segurança

Muitos médicos acham que estão mais seguros quando as informações estão no papel ou no próprio computador/servidor. No primeiro caso, a segurança dependerá das medidas de proteção físicas, que frequentemente falham.

No segundo, o risco é ainda maior: dificilmente, é possível montar uma estrutura de segurança digital sem investir muito dinheiro. Então, se você conta apenas com antivírus e firewalls simples, os dados estão vulneráveis.

Para ter mais autonomia e poder se dedicar principalmente às atividades de gestão e de cuidado, é imprescindível contar com um sistema digital terceirizado. Afinal, ao contrário da sua clínica, os seus fornecedores são especializados em tecnologia da informação e investirão bastante na segurança dos servidores remotos com criptografia dos dados, ferramentas de anonimização, protocolos internacionais de segurança, entre outros pontos.  

Integração

O último requisito para avaliar a autonomia do seu acesso aos dados é a integração, que significa que uma mesma entrada (input) poderá ser aproveitada em diversas ferramentas do sistema. Em outras palavras, não será mais preciso copiar e colar manualmente a mesma informação em diversos softwares e módulos.

Por exemplo, ao registrar o uso de determinado insumo em uma consulta no prontuário, automaticamente será feita a baixa no estoque. Na hora da cobrança do paciente pela secretária, o custo do procedimento já estará faturado. 

Quais as vantagens isso traz para a sua clínica?

Algumas das vantagens já foram ditas anteriormente. Agora, vamos falar daquelas que transformarão ainda mais o atendimento e a gestão da sua clínica.

Otimiza o uso do tempo

Sabemos que o tempo do médico é valioso, mas muito curto. Com um bom sistema, seu tempo gasto com a gestão da clínica será muito menor. A maioria das tarefas poderá ser executada com um clique sem sobrecarregar a sua já extensa jornada de trabalho.

Promove acessibilidade aos dados dos pacientes

Você poderá ter as informações do prontuário do paciente em mãos sempre que estiver conectado à internet. Assim, terá mais autonomia para analisar o caso de onde estiver e quando puder, a fim de melhorar ainda mais o acompanhamento e o cuidado.

Aumenta a eficiência do atendimento

Um dos principais problemas que travam o aumento do faturamento das clínicas é a dependência de tarefas manuais, desde que o paciente é recepcionado até o fim da consulta.

As plataformas de gestão médica trazem várias tarefas automatizadas, como autopreenchimento de campos de documentos (prontuários, receitas, atestados, entre outros) e atualização de dados cadastrais. Então, em cada atendimento, vários minutos são otimizados. Isso significa que você pode aumentar o número de atendimentos durante a sua jornada de forma substancial.

Reduz gargalos

Ademais, você reduz os gargalos que ocorrem devido a erros e lentidão de processos gerenciais, como controle de estoque, agendamento de pacientes, emissão de documentos e faturamento. Consequentemente, seus colaboradores se tornam mais produtivos e darão um atendimento mais satisfatório ao paciente

Portanto, a autonomia no acesso aos dados da clínica significa melhorar a qualidade global da gestão e do serviço oferecido aos pacientes. Para isso, é preciso contar com as melhores ferramentais digitais. Assim, além de otimizar suas operações físicas, você se prepara para a nova era de consultas digitais.

Ficou com alguma dúvida? Qual o nível de autonomia de acesso aos dados da sua clínica? Comente aqui!

Você também pode gostar

Deixe um comentário